É importante reconhecer

... que a força da formulação intelectual da cosmologia Aristotélica reforçava o senso comum em oposição com a ciência moderna que contradiz o que parece auto-evidente.

É uma ideia partilhada por Descartes ao afirmar que o senso comum é a coisa mais bem distribuída do mundo: ninguém parece querer mais do que aquela que já tem e toda a gente não se importa de dar um bocado a quem parece ter pouco. É uma coisa bem distribuída, até porque toda a gente parece não querer admitir que disso tem falta (uma falta de bom senso terrível, mas enfim).

Há outras quantidades que parecem usufruir das mesmas qualidades de distribuição generalizada. Lembro-me por exemplo da estupidez. É fácil admitir que outros serão estúpidos (quem nunca?) e ninguém se importaria de dar parte da sua estupidez a um amigo, como as antigas cartas da sorte no jogo Monopólio "Levou um tiro de um amigo" nos recordavam, livrando-se de parte dela só para depois arranjar mais tarde um novo bocado.

Como exemplos paradigmáticos da abundância distributiva destas duas quantidades há casos em toda a história da ciência. Um em particular muito ilustrativo vem da prova da impossibilidade da rotação da terra em torno do seu eixo.

Ora é do senso comum que toda a pedra lançada na vertical volta a cair no sítio de onde partiu, retorna ao lugar onde estava. A observação "obviamente a terra não roda" tem tanto de bom senso como de estupidez. Onde falta o primeiro, à luz do conhecimento científico moderno, surge agora a segunda. O transvase entre estas duas quantidades parece ser uma regra geral e quase uma "lei da natureza" confirmada em cada novo passo de uma nova descoberta científica. O que era senso comum passa agora a estupidez (o reciproco também é verdadeiro, ou as leis da natureza não são nem verdadeiras nem falsas?).

Tenho-me perguntado nestes últimos dias o quanto do senso comum das políticas de esquerda que defendemos são matéria do anterior mecanismo de transvase?

De que estupidez somos nós vítimas no uso do nosso bom senso?

Criado/Created: 18-05-2018 [19:44]

Última actualização/Last updated: 24-06-2020 [09:15]


Voltar à página inicial.


GNU/Emacs Creative Commons License

(c) Tiago Charters de Azevedo