Há por vezes um espanto próprio

... que aparece quando não se está à espera, um ditado popular português que fala sobre quem não se sente e uma citação quase inocente, e descontextualizada, de Hannah Arendt nas primeiras páginas de um livro.

E de repente tudo isto junto me sugeriu uma característica singular do nosso tempo, o descuidado e a imprudência da repetição complacente de “verdades” triviais e vazias que promovem a confusão sem esperança e a insensibilidade que ganhamos todos os dias aos problemas e as vidas dos nossos concidadãos.

Em como estas "verdades" são propaladas por alguns órgãos de comunicação social, por partidos políticos da esquerda e da direita, fazedores de opinião e redes sociais. Como se o pensamento estivesse fora de todas as nossas actividades diárias.

Mas que andamos nós a fazer?

Criado/Created: 03-07-2018 [16:23]

Última actualização/Last updated: 24-06-2020 [09:15]


Voltar à página inicial.


GNU/Emacs Creative Commons License

(c) Tiago Charters de Azevedo